Data : 17/08/2017

Dados sujeitos a alteração sem aviso prévio.

O conteúdo deste material on-line não expressa, necessariamente, a nossa opinião.

Reportar erro

SOLENIDADE DA ASSUNÇÃO DE MARIA

Homilia Dominical – 20.08.2017

Enquanto preparava nossa celebração, meditando a primeira parte do Evangelho que acabamos de ouvir, lembrei-me da letra de uma canção mariana que diz: “Maria, mãe dos caminhantes, ensina-nos a caminhar. Nós somos todos viandantes, mas não é fácil sempre andar”. De fato, acompanhando Maria no Evangelho, percebemos que desde o anúncio que seria a Mãe de Jesus, ela se coloca a caminho. Foi o que ouvimos hoje. Maria se faz caminhante até à casa de Isabel. Se Maria é exemplo para os cristãos, o título de mulher caminhante lembra que também nós somos caminheiros e que nossa vida é uma caminhada para a eternidade. Esta é a primeira mensagem da solenidade da Assunção de Nossa Senhora que celebramos neste ano. Olhamos para Maria e nela vemos espelhada nossa vida. Ela foi levada ao céu, para junto de Deus; nós também somos destinados ao céu a viver a eternidade junto de Deus, mas antes disso é preciso se colocar a caminho da eternidade.

Gostaria de recordar dois passos que julgo fundamentais para se chegar à eternidade. O primeiro deles é nos tornar cristãos. A expressão “tornar-se cristão” é muito antiga e foi falada no início do cristianismo por um escritor da Igreja, chamado Tertuliano. Este teólogo ensinava que ninguém nasce cristão. Ou seja, ninguém é cristão porque seus pais são cristãos, por exemplo. O cristão se forma, vai tomando formas de cristão à medida que vive de acordo com o ensinamento de Jesus Cristo. É uma formação contínua, é um crescimento contínuo a ponto de se tornar uma nova pessoa, que se pareça em tudo com Cristo. Na 2a leitura, São Paulo dizia que é preciso fazer o Adão morrer para reviver em Cristo. Quer dizer, é preciso fazer morrer aquela pessoa que vive só olhando para a terra, que coloca o motivo do viver na terra, e deixar nascer em mim o Cristo, para viver fazendo a vontade do Pai. Este é o primeiro passo para a eternidade: não só se parecer com Cristo, mas ser um Cristo vivo entre nós. A eternidade pertence a Deus e lá só entra quem é divinizado em Cristo, com aconteceu com Maria, que foi divinizada por ter acolhido Cristo em sua existência.

O segundo passo da nossa condição de caminhantes para a eternidade é marcado por encontros. Quem caminha, inevitavelmente, encontra-se com outros caminhantes. Alguns que fazem o caminho com coragem, determinação e alegria. Com estes nos unimos e celebramos a vida. Outros, porém, vivem cambaleando nas estradas da vida e, infelizmente, não respiram e muito menos transpiram os ares da eternidade. São pessoas, nas quais, a vida lhes foge em tristezas e dores. É indo ao encontro desses últimos que nossos passos nos colocam no endereço da eternidade. Maria foi ao encontro de Isabel, que estava precisando de ajuda. Maria foi ao encontro dos noivos de Caná, que estavam numa situação complicada. Maria foi ao encontro do próprio filho quando este carregava a cruz e sofria. A mensagem é muito clara. Nós chegamos à eternidade indo ao encontro de quem precisa e ali nos colocamos a serviço. Antes de Maria ser assunta ao céu, o céu se fez presença marcante nos encontros que a vida lhe ofereceu através do serviço.

A solenidade da Assunção, como temos falado em outras celebrações, é uma solenidade que ergue nossos olhos para a eternidade. É uma festa que celebra o mistério da oferta da eternidade para a Igreja, enquanto Corpo de Cristo, e para cada um de nós, em particular. Por isso, hoje fazemos uma celebração de ação de graças; glorificamos o Pai por destinar nossa vida a ser eterna, em Cristo Jesus. Hoje, lembramos que assim como aconteceu com Maria que teve como destino a eternidade, também nós temos um destino e esse destino é a eternidade. Para isso existem dois passos importantes, que foram vividos intensamente por Maria, os quais somos chamados a assumir ou a intensificar. É preciso que nos tornemos cristãos e cristãs, vivendo de acordo com o Evangelho, e que sejamos uma mão estendida aos irmãos que precisam de nossa palavra e de nossa ajuda concreta. Podemos dizer que a medida que nos tornamos cristãos mais estendemos a mão aos irmãos e mais nos aproximamos da eternidade.

Dentro das reflexões vocacionais do mês de agosto, este Domingo é dedicado ás vocações religiosas. Religiosos são homens e mulheres que se propõe a viver a radicalidade do Evangelho, quer dizer, viver somente para o Evangelho. Por isso, eles deixam tudo e se comprometem com o Evangelho por três votos: pobreza, obediência e castidade. Vivendo assim, tornam-se na Igreja e no mundo testemunhos — pessoas que mostram com a vida — que é possível viver dando passos para a eternidade, sem colocar a segurança da vida na terra. O testemunho dos religiosos demonstra que é possível ser uma pessoa nova em Cristo, vivendo de acordo com o projeto de vida do Reino de Deus. É possível viver dedicando a vida para realizar encontros que sejam marcados pelo serviço aos irmãos e irmãs que precisam de nossa ajuda. Por isso, hoje, pedimos que Deus nos dê a graça de testemunhos vivos na vida religiosa, para que nossos passos em direção à eternidade tenham modelos de vida autenticamente cristãos. Amém!

Marcelo Alves dos Reis SCJ
Pároco